Ex-BBB Talita revela ameaça no confessionário após sexo sem camisinha

Talita Araújo quase não suportou o apedrejamento virtual que sofreu após sair do “Big Brother Brasil”, em 2015. A goiana, que entrou no reality show com o sonho de ser piloto de avião, perdeu o emprego e teve a autoestima destruída.

A ExBBB se lembra dos xingamentos por ter transado no programa sem camisinha, as acusações de querer dar o “golpe da barriga” e o que rolou no confessionário sem que o público até hoje soubesse.

A jovem tinha 22 anos quando entrou no “BBB 15” e encarava a experiência como uma grande diversão. No confinamento, conheceu Rafael Licks, com quem namorou por mais um tempo após o fim daquela edição. Os dois transaram por mais de uma vez dentro do reality, tendo a intimidade exposta. Mas foi sobre Talita que recaiu o cruel julgamento do público.

“Não é de hoje que mulheres são julgadas em reality shows pela postura delas. Os homens fazem muito pior e ninguém fala nada. Conheci alguém, me diverti e tive relação sexual. Fui muito julgada por isso. Ouvi barbaridade sobre a minha relação lá dentro pelo Rafael ser um padrão de príncipe encantado. Fui chamada desde puta e vagabunda até interesseira que queria dar o golpe da barriga – coisas que nenhuma mulher deveria escutar. Eu sou dona e proprietária do meu corpo”, afirma.

A sociedade deveria se preocupar menos com a mulher que está se divertindo, e mais com a mulher que está sofrendo abuso, violência e sendo constantemente sufocada.

Além da intimidade sexual transmitida em rede nacional, o que despertou atenção à época foi o fato de Talita e Rafael terem feito sexo sem preservativo. Após o primeiro ato sem proteção, ela pediu à produção do programa uma pílula do dia seguinte. Eles voltaram a ter relação sexual sem camisinha.

“Por falta de orientação sexual, que nunca recebi, eu não tinha conhecimento que não poderia tomar duas pílulas do dia seguinte em menos de seis meses. Você pode julgar uma jovem de 22 anos por não saber isso? Não. Porque ninguém me ensinou. Eu não sabia. Para mim, foi um choque [o julgamento das pessoas]”, diz.

A maioria do público responsabilizou somente Talita pela irresponsabilidade (e não ela com Rafael), mas o que poucos sabem é o que aconteceu no reality show antes e depois da segunda vez que o casal transou.

“Pedi [a pílula do dia seguinte] e o problema foi que eu pedi duas vezes seguidas. Muita gente não sabe, mas tudo o que precisamos fica numa despensa da casa. E tem uma porta com uma tranca. A produção é que tem o controle dessa tranca. Quando a gente esquentou para irmos aos finalmentes, essa porta foi trancada propositalmente ou não. E a gente não parou. Foi por isso que essa segunda vez aconteceu sem proteção”, diz.

O que rolou no confessionário
Depois de solicitar o método contraceptivo em situação de emergência, Talita foi informada que não poderia fazer uso da pílula novamente naquele curto intervalo de tempo. Dentro do confessionário, ela foi atendida por uma médica para fazer exames hormonais. O que a abalou foi a reação de um funcionário da emissora dentro do confessionário, ambiente em que os participantes trocam votos e que também serve para demandas pessoais – desde uma queixa de dor de cabeça até uma consulta de terapia, por exemplo.

“Um dos produtores do programa ficou muito irritado com essa história toda. Ele falou, ‘a gente não é babá e não quero mais escutar história de camisinha, anticoncepcional, pílula do dia seguinte. Quero que você vá lá para fora e acabou essa história. Não quero mais escutar um pio sobre isso, senão eu mesmo te elimino do programa'”, conta.

Eu saí de lá desestabilizada.

A Globo foi procurada pela reportagem de Splash para comentar a declaração de Talita, mas não respondeu até a publicação do texto. Caso a emissora se manifeste, o texto será atualizado.

O fundo do poço
Os desdobramentos do “BBB” na vida de Talita Araújo foram desastrosos. Ela entrou em depressão e tentou tirar a própria vida. Se o sentimento era de culpa? “Muito. Completamente. Um sentimento horrível. Eu chorava de gritar. Queria que aquilo acabasse. Queria acordar daquele pesadelo de ouvir tanta coisa absurda a meu respeito, que ninguém merece escutar. Aquilo acabou comigo”.

“A sociedade me sufocou tanto que me fez chegar a ponto de querer desistir da minha vida. Simplesmente pelo fato de não ter conseguido falar, ‘não me apedreja tanto porque sou vítima dessa sociedade’.

Fiz o que pude para continuar vivendo. Sou uma sobrevivente.

Assédio em qualquer lugar
Talita mora em Dublin, na Irlanda, onde trabalha em um Pub, um tipo de bar tradicional na Europa. Ela era garçonete e recentemente foi promovida a um cargo de gerência. A ex-BBB não pensa em voltar tão cedo ao Brasil e se dependesse dela a família toda se mudaria para o país.

Independentemente de onde esteja, a goiana afirma que situações de assédio por ser mulher são comuns. Recentemente, ela expulsou um cliente do Pub por ter passado a mão em seu bumbum: “Não vou mais tolerar nenhum tipo de assédio na minha vida. O cara passou a mão na minha bunda. Eu virei e falei, excuse me, sir [com licença, senhor]? O senhor passou a mão na minha bunda. Se o senhor triscar a mão em mim eu te mato aqui nesse lugar. E falei para o segurança colocar ele para fora porque ele estava incomodando”.

“Essa foi uma das primeiras vezes que reagi imediatamente. Geralmente cristalizo. Fico tão nervosa, meu corpo treme inteiro e eu preciso recuar. Por isso precisamos ser mais unidas. Não é todo mundo que consegue se posicionar”.

Um outro episódio de assédio que a marcou foi na consulta de um hospital público em Goiânia. Ela estava com uma crise de psoríase: “Ele me indicou uma pomada e disse: se você quiser pode ir lá em casa que eu passo a pomada para você”.

“O que a gente faz numa situação dessas? Não consegui falar. Hoje eu dira, o senhor não se toca que está me expondo ao ridículo e que o senhor deveria estar trabalhando? O senhor não quer tomar naquele lugar?”.

Talita ainda teve de voltar ao mesmo hospital, mas se recusou a passar com o mesmo profissional e foi atendida por uma médica. “Foi quando eu escapei de ser assediada novamente”, afirma.

Acontece em todo lugar. Infelizmente, a mulher não tem paz. Ela vai ser assediada. O problema não é a gente nem onde a gente está, mas do homem que precisa se controlar – Talita Araújo.

 

 

** Este texto não necessariamente reflete, a opinião deste portal de noticias

____________________________________

Sobre o Portal da Fama:

Colabore para que nossa equipe de jornalistas seja mantida para entregar a você um conteúdo profissional, enviando sua sugestão de pauta para nosso email contato@portaldafama.com.br