Rodrigo Bucollo, da Best View Inglês, analisa receio das empresas pela diversidade sexual e racial

O profissional também elencou problemas que devem ser resolvidos

 

Se passamos por 2020, ano que aprendemos a quebrar barreiras, desconstruir, reconstruir, desaprender, reaprender, ressignificar e principalmente reAMAR. 2021 ainda pode (deve) ser um ano de quebrar barreiras. 2021 será um ano desafiador em quase todos os segmentos. Empresas abrindo e em sua grande maioria fechando as portas devido ao COVID-19. Entretanto, uma questão ainda é evidente em nosso processo de desenvolvimento empresarial. Há muitas empresas com medo da diversidade, analisa Rodrigo Bucollo, CEO da Best View Inglês.

“É natural do ser humano (alguns nem tão humanos assim) que o novo traga medo. Que o desconhecido gere medo. Que o diferente resulte em medo. Então é fácil entender – diferente de aceitar – que as pessoas tenham medo da diversidade.’Rodrigo, o que você está dizendo é uma grande bobagem. Na empresa onde eu trabalho há chances para todos”.Sério? Então vamos testar um pouco, ok?Aceita o desafio?Na empresa onde você trabalha, para cargos de gerência e acima:- Quantos são negros? – Quantos são gays?- Quantos são trans?Quer que eu continue a lista?”, analisa o profissional.

Rodrigo acredita que a educação no Brasil é elitista e desta forma absurda de seleção coloca as mesmas pessoas com as mesmas características nos mesmos lugares.

“A meritocracia funciona quando há oportunidades iguais para TODOS e não para o grupo seleto de pessoas que conseguiram estudar em uma grande universidade. Ou você ainda acredita que todos são iguais dentro da sua bolha? Diversas empresas no Brasil ainda possuem processos seletivos elitistas – seja pela formação ou até mesmo local de moradia do candidato. Situação que agrava ainda mais e cada vez mais esta situação”, pondera.

Rodrigo elencou dois problemas claros para resolvermos.

1 – Garantir que o adulto que foi excluído pela sociedade e pela educação tenha chances (muitas vezes por meio de cotas) de desenvolvimento e entrada em um mundo tão seletivo e preconceituoso.
Mas e a preparação (você está se perguntando, né)?
MAIS EMPATIA MEU AMIGO!!!!
A grande maioria das empresas do Brasil investem um grande valor em cursos e treinamentos para seus executivos, pessoas que já recebem (merecidamente) um grande salário. Por que não investir em cursos, treinamentos e formações para quem está entrando neste jogo praticamente perdido?
Bora virar este jogo?

2 – investir na base educacional do Brasil.
Este é o investimento mais barato, com melhor retorno e garante principalmente que o item 1 seja extinto ou pelo menos minimizado em algumas décadas.
Mas aí é a questão. Vivemos em uma sociedade extremamente imediatista. Quem está pensando em investir em algo para obter resultados em décadas se a meta do ano está logo ali?
Neste ponto há um problema ainda maior. Este é um investimento que o Governo deve fazer, e como bem sabemos o governo é o maior inimigo da educação. INDEPENDENTE DE PARTIDO!

“Se a empresa que eu trabalho não faz, se o governo não faz… o que eu posso fazer? Podemos e temos o dever de aplaudir e copiar o que algumas (ainda poucas) empresas estão fazendo. E claro melhorar! Você já pensou em criar um grupo de estudos dentro da empresa que você trabalha para ajudar estes grupos? Não tenho todas as respostas e nem a arrogância de achar que a teria. Mas tenho muita vontade de usar meu conhecimento, minhas habilidades, meus investimentos, minhas empresas para fazer do mundo… um lugar mais inclusivo… para TODOS!”, finaliza Bucollo

** Este texto não necessariamente reflete, a opinião do Portal Da Fama